Alma-de-mestre, 2017

Este ano tivemos mais uma época de Alma-de-mestre, Hydrobates pelagiccus, novamente em parceria com a Universidade de Cardiff, Reino Unido. Num projeto que já tem quase 30 anos de duração (27 para ser exato), os dados que recolhemos continuam a ser uma fonte de surpresas. Este ano, começou por ser mais um ano de fracas capturas. No entanto nos últimos três dias capturámos quase 100 aves, o que melhorou a média de cada noite, mas trouxe-nos mais dúvidas ainda. Porquê tão tarde? Será que o pico de captura ainda continuaria nos próximos dias? Infelizmente não conseguiremos responder a esta pergunta, porque o projeto acabou e todos têm que ir para casa.

Os números de aves com anilhas estrangeiras estão melhores que nos anos anteriores mas nada de especial porque capturámos apenas três aves. Duas com anilha Britânica e uma com uma anilha Norueguesa. Mas a estrela do ano foi para o segundo Painho-de-swinhoe, Oceanodroma monorhis, capturado na costa Portuguesa. Depois de em 1998 a nossa equipa ter capturado o primeiro voltámos a ter o prazer de termos este ilustre visitante. No vídeo ao lado consegue ver-se claramente a misteriosa ave a ser processada pelo Dr. Rob Thomas e assistido pela Dra. Renata Medeiros.

Quem sabe o que poderemos descobrir para o ano que vem?

2017-06-27T21:59:43+01:00